X

As sequências de Doutor Estranho que a Marvel deveria fazer

Escolhemos os melhores arcos para o cinema

Por Rafael Sanzio - 05 Nov 2016 às 11:42h

O filme Doutor Estranho (confira a nossa crítica aqui) da Marvel Studios estreou e trouxe para os cinemas o elemento místico para o universo cinematográfico do estúdio. Enquanto tínhamos uma visão científica do multiverso através do Microverso em Homem-Formiga, e um tímido começo do sobrenatural com a nova temporada de Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. – bem como na série Demolidor – o filme Doutor Estranho entra com tudo com o exotérico e místico, tendo uma das cenas mais psicodélicas das produções da Marvel Studios, além de abordar temas bem mais existenciais que as outras aventuras dos demais super-heróis.

Com isso em mente, o filme se propõe a tratar de ameaças e questões bem mais filosóficas do que seus pares e os bons números na bilheteria concedem uma carta verde para as adaptações de temáticas mais difíceis do personagem para os cinemas. Com aquela cena pós-crédito já definindo o possível antagonista da sequência, o Fique Ligado resolveu escolher os melhores arcos do Mago Supremo para serem adaptados ao cinema – com as devidas modificações necessárias para manter o espírito da HQ e agradar a um público mais abrangente. Cuidado com SPOILERS, já que comentaremos sobre os eventos do filme.

1. A Ameaça de Shuma-Gorath

Porque usar: Apesar de Barão Mordo (Chiwetel Ejiofor) estar bem claro como o antagonista do próximo filme, ele sozinho talvez não dê conta do trabalho de eliminar todos os magos do mundo. Com Dormammu fora da jogada, outra entidade superpoderosa deve entrar no lugar, e esta poderia ser Shuma-Gorath.

Trama: A criatura demoníaca apareceu no arco de história da Marvel Premiere #4-10 (1973), onde Strange enfrenta diversas entidades que se assemelham aos Mitos de Cthulhu de H.P. Lovecraft, como Sligguth e Kathulos, além do próprio Shuma-Gorath que tem um nome parecido com um dos mitos, Shub-Niggurath. Na história, a entidade dominou a Terra por milhares de anos e foi banida, mas tenta retornar através da mente do Ancião. Doutor Estranho é então obrigado a matar o mentor, e por ter passado por tamanha provação e aprendido tanto, ele se tornou o novo Mago Supremo.

Adaptação: Então, eles já mataram o Ancião (Tilda Swinton) e de uma forma nem tão impactante assim como foi nos quadrinhos. Contudo, o relacionamento entre Estranho e Mordo no filme é bem próximo, podendo transferir o sacrifício para Mordo. Primeiro, ele fica cada vez mais louco em seu plano, ao mesmo tempo em que Shuma-Gorath encontra uma brecha na loucura para entrar na mente de Mordo – ou a loucura foi surgindo não porque ele teve seu espírito quebrado pelos acontecimentos do primeiro filme, mas porque ele já estava começando a ser influenciado pela entidade maligna.

2. No Amanhecer do Tempo

Porque usar: O primeiro filme deu um vislumbre sobre o controle do tempo – e para falar a verdade, não sabemos se depois de Guerra Infinita o Doutor ainda estará com o Olho de Agamotto – contudo, a história é uma boa sequência para os acontecimentos do primeiro filme.

Trama: Marvel Premiere #11-14 (1973), em sequência aos acontecimentos de Shuma-Gorath, Doutor Estranho, agora Mago Supremo, tenta se reconciliar com Barão Mordo. Porém, ele descobre que o vilão está usando o Livro de Cagliostro por causa de um feitiço capaz de fazê-lo voltar no tempo e destruir o futuro. O herói o segue e descobre que o feiticeiro Cagliostro também tem o mesmo plano. Logo Doutor Estranho e Barão Mordo juntam forças para deter o vilão, seguindo-o até a época da criação do mundo e com Cagliostro possuindo poderes de um Deus. Tudo poderia estar perdido, só que ao ter os poderes de um Deus ele próprio, com sua infinita sabedoria, percebe os erros de seu plano e volta tudo ao normal.

Adaptação: Mordo no filme abomina o uso da magia para modificar as leis naturais do mundo, então não faria o menor sentido ele mesmo buscar um feitiço para alterá-las. Há duas desculpas para ele fazer isso: 1) Ele perceber que é a única maneira, voltar no tempo para matar os magos antes dele serem magos. 2) Ficar louco definitivo e querer voltar no tempo para acabar com tudo.

As duas opções são válidas, e apesar deles já terem utilizado a questão de voltar no tempo, eles ainda não exploraram a viagem no tempo. O passado do Doutor Estranho e do Barão Mordo poderia ser bem explorado. E o final da trama poderia ser trágico ou feliz, com a morte de Mordo ou sua volta ao normal depois de virar um Deus – porque na adaptação seria bem melhor explorado a trama se Mordo absorvesse a história de Cagliostro.

3. Arquivos Secretos do Homem-Aranha

Porque usar: Homem-Aranha é o novo queridinho da Marvel Studios depois de Capitão América: Guerra Civil e seu filme promete fazer jus finalmente ao personagem. Mesmo que seja por uma parte do filme, nada mais justo pegar realmente o personagem que vive em Nova York para um crossover.

Trama: Dois ladrões roubam um artefato mágico de um museu e a partir daí várias pessoas começam a desaparecer. Sentindo a presença do artefato, Doutor Estranho investiga e pede ajuda ao Ancião, mas ele não pode ajudar e recomenda outra pessoa: o Homem-Aranha. O cabeça de teia enfrenta os ladrões e descobre o poder do artefato A Lanterna de Lantarr, que transfere os seus alvos para outra dimensão. Os dois heróis juntam forças, e descobrem que os ladrões estavam sendo manipulados pelo Barão Mordo e as pessoas desaparecidas estavam servindo de sacrifício para Dormammu.

No final, mesmo com todo heroísmo e um J.J. Jameson admitindo que o Homem-Aranha é um herói, o cabeça de teia pede para Doutor Estranho apagar a experiência traumatizante da cabeça de todos, mesmo que isso mantenha a vida do herói complicada. Nesse momento Doutor Estranho reconhece um verdadeiro e nobre herói em Homem-Aranha.

Adaptação: Mesmo acreditando que um crossover por todo um filme inteiro seja difícil de acontecer, mas por uma parte é bem possível – vamos torcer para que Hulk em Thor: Ragnarok dê certo. A Lanterna de Lantarr é um artefato possível de ser usado pelo Mordo dos cinemas, ao invés de desaparecer com pessoas normais, ele usaria o artefato para desaparecer com os magos mais difíceis de lidar e Homem-Aranha se envolveria na trama a partir do roubo do museu por Mordo ou ladrões a serviço dele.

4. Doutor Estranho: O Juramento

Porque usar: Alguns elementos da graphic novel já foram usados no filme, mas podem dar brecha para explorar o relacionamento entre Estranho e Wong (Benedict Wong) ou mudar o direcionamento da história para algo mais romântico, com a Christine Palmer (Rachel McAdams).

Trama: No arco de histórias de Brian K. Vaughan e Marcos Martin, Wong está com câncer. O servo de longa data do Doutor Estranho tem alguns dias de vida e o ex-médico não aceita o fato, fazendo de tudo para encontrar uma cura. Contudo, um velho conhecido rouba a cura e Estranho, Wong e a Enfermeira Noturna começam uma investigação para descobrir quem é o culpado. No fim, o herói tem que decidir se salva a vida do amigo ou cria uma cura para todas as doenças do mundo.

Adaptação: Por mais que a história seja sobre Wong e Estranho, nos cinemas eles não são tão próximos. Por isso, a melhor opção para quem deve ter o câncer é Christine Palmer, fazendo alusão ao tempo que ela cuidou de Estranho quando ele sofreu o acidente de carro, mostrando como o herói é incapaz de pôr seu lado médico para fora e deixar a vida seguir seu curso natural. Portanto, ele mais uma vez tentará mudar as leis naturais do mundo para encontrar a Panaceia (a cura milagrosa). Uma ótima oportunidade para drama, despedidas e declarações de amor. O vilão poderia ser Mordo, tentando impedir – ao mesmo tempo que tenta dar uma lição de moral – Doutor Estranho de encontrar a cura.

5. Doutor Estranho e Doutor Destino: Triunfo e Tormento

Porque usar: O primeiro filme terminou com o mundo não tendo um Mago Supremo, se ele não ganhar o título durante a Guerra Infinita, será na sequência.

Trama: O Velho Genghis é um mago de grande poder e reuniu vários magos poderosos de todas as regiões para disputarem o título de Mago Supremo e um desejo sendo concedido. Evocando o próprio Vishanti, o trio de entidades que concedem poderes aos feitiços, a disputa acontece – com Doutor Estranho sendo o vencedor. Porém, para sua surpresa, quem vira o Mago Supremo deve conceder o desejo do outro mago que também passou no desafio: Doutor Destino.

O desejo do vilão não tinha nada a ver com a conquista do mundo e sim o desejo de libertar a mãe das garras do demônio Mefisto. Os dois partem para o Inferno para libertá-la, mas não são páreos para o demônio. Destino finge trair Doutor Estranho, mas a ação envergonha a mãe que não quer compactuar com o acontecido. No fim, Estranho liberta a alma da mãe de Destino, ferindo Mefisto, fazendo-o perder uma alma e em seguida expulsa os dois com raiva.

Adaptação: Sabemos que Doutor Destino está preso na Fox com o Quarteto Fantástico. Contudo, Mordo pode entrar em seu lugar, com flashbacks para contar a história do seu passado e termos mais compaixão com o personagem – além de colocar uma mãe no meio, talvez. O torneio de Vishanti pode mesmo acontecer e Doutor Estranho pode ficar preocupado com o fato de Mordo também participar, com medo do que pode acontecer se ele virar o Mago Supremo.

O filme pode ser focado no torneio, ou seguir adiante com a trama de libertação da alma da mãe de Mordo e com isso apresentarmos o Inferno e o vilão Mefisto – que ainda terá tempo de ser mencionado na temporada de Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D.