X

Séries de ficção científica que te fazem pensar

Quando você desliga a TV, ainda está pensando nela

Por Rafael Sanzio - 08 Nov 2016 às 11:24h

Há quem encha a boca para dizer que séries são melhores que novelas, contudo, existem episódios e até mesmo temporadas que se arrastam e desenvolvem temas amenos, como a maioria das novelas da TV. Mas existem aquelas obras tão bem escritas, ou com um tema tão significativo, que te fazem pensar nos episódios mesmo depois de desligar a TV.

Um dos gêneros que consegue captar essa essência é o de ficção científica. Ele questiona em suas obras sobre a influência e impacto da ciência na sociedade ou nas próprias pessoas, seja uma tecnologia viável ou totalmente imaginária. A ficção científica não está atrelada ao futuro longínquo, podemos ter séries ambientadas nos anos 80, como Stranger Things, e se classificar como ficção científica – ou até mesmo bem antes disso.

Confira algumas séries que te fazem pensar e, por consequência, que você deveria assistir e quebrar a cabeça conosco:

1. Westworld

História: Um parque temático que leva seus convidados para a época do Velho Oeste norte-americano, com androides servindo como anfitriões e realizando todos os desejos dos humanos. Violência, sexo e aventura são parte integrante da atração. Contudo, alguns anfitriões estão apresentando problemas e nem tudo é o que parece na série.

Reflexões: O programa dá a oportunidade para vários questionamentos, desde sua trama a discussões filosóficas sobre o que consideramos ser um ser vivo. Se os anfitriões foram feitos de forma tão perfeita, quase impossível de identificar se são androides ou não, como saber quem é quem no parque? E os funcionários, seriam eles humanos ou não? Enquanto isso há as teorias sobre a trama, podendo estar sendo passada em várias timelines diferentes sem que o próprio telespectador perceba e para notar isso é preciso estar atento aos detalhes.

2. Black Mirror

História: A trama é uma antologia com temas sombrios e satíricos sobre a influência da tecnologia na sociedade – focando os acontecimentos na Grã-Bretanha e Estados Unidos, com a possibilidade de todas as histórias compartilharem o mesmo universo.

Reflexões: Apesar da evidência da tecnologia nos episódios, e cada novo aparato pode ser alvo dessa crítica, a realidade é que a série fala sobre os seres humanos e sua capacidade para corromper a tecnologia, a si mesmos e a sociedade. Um novo episódio é uma nova crítica e um chamado à realidade, mesmo que seja através de uma ficção científica hiperbolizada. Desde a hipocrisia na política, com um Primeiro-Ministro fazendo sexo com uma porca à pessoas escravizadas por um conglomerado e ludibriadas por uma falsa sensação de controle da própria vida através do gasto de pontos que ela mesma adquiriu com o próprio esforço.

3. Orphan Black

História: Sarah Manning testemunha o suicídio de Elizabeth Childs, uma detetive extremamente parecida com ela.  O que começou com apenas um roubo de identidade para conseguir o dinheiro da falecida, se torna na descoberta de uma conspiração envolvendo clonagem humana. Manning começa a descobrir sobre outros clones, precisa evitar que a polícia descubra sua verdadeira identidade e está em constante fuga para não ser destruída por fanáticos religiosos.

Reflexões: Questões éticas e morais acerca da clonagem humana são recorrentes. Permitir ou não e para que propósito? E se é contra, mas já foram criados, como lidar com eles? São considerados humanos ou coisas sem alma? E na própria trama, entre as várias clones quem é a original ou existe um original?

4. Fringe

História: Uma agente especial do FBI, Olivia Dunham, investiga um acidente aéreo e após a quase morte do seu parceiro, ela entra em contato com o Dr. Walter Bishop, um brilhante cientista, mas que a 17 anos está internado em uma clínica psiquiátrica. Junto com ele e seu filho, Peter Bishop, o trio começa a desvendar o mistério do acidente que envolve uma megacorporação chamada Massive Dynamics. Além disso, há a descoberta dos universos paralelos, criação de portas para eles, transmorfos assassinos, bioterroristas e crianças cobaias.

Reflexões: A série é constituída de uma intricada trama de ficção científica e do uso de viagens a universos paralelos – além de episódios diferentes envolvendo criaturas diferentes. Em dado momento o questionamento de quem é quem, se os personagens são originários desse universo ou do outro, pode explodir cabeças e o passado bombástico de cada um cria ligações inesperadas.

5. Sense 8

História: Oitos desconhecidos compartilham a mesma data de aniversário, 8 de agosto de 2015. A grande maioria deles vivem em países e culturas diferentes, mas subitamente eles têm uma visão da morte violenta de uma mulher. A partir daí cada um deles descobre ter uma conexão mental e emocional, podendo se comunicar, sentir, compartilhar conhecimento, linguagem e habilidades. Dois homens misteriosos entram na vida deles: um quer ajuda-los o outro caçá-los.

Reflexões: Além das reflexões metalinguísticas sobre a representatividade de minorias em uma série de ficção científica, a própria trama conduz a questionamentos intrigantes sobre o que é essa ligação e de como ela foi produzida. Quem são os dois homens que conhecem essa ligação e possuem claramente objetivos diferentes. E, como seria ter esse tipo de poder e ligação?

6. Lost

História: Após um acidente de avião os sobreviventes encontram refúgio em uma ilha aparentemente inóspita. A partir daí eles tentam se manter vivos enquanto aguardam o resgate. O problema é que a ilha possui infinitos segredos, bem como os passageiros e os Outros habitantes da região.

Reflexões: Apesar de ter dito que não colocaria novela por aqui, mas Lost em boa parte das temporadas trouxe diversas reflexões morais, psicológicas e sobre o que era a ilha. Mesmo com uma boa dose de esoterismo, a trama trabalhou bastante com a ficção científica. O magnetismo da ilha, a fumaça preta que até então poderia ter sido uma máquina, o projeto da DHARMA e seus vídeos explicativos. Quem eram os Outros? Como a ilha desaparecia e como ela fazia os aviões cair? Paraplégicos que voltam a andar? Urso polar em uma ilha tropical? Muitos questionamentos e pensamentos após cada novo episódio e aquele final com a logo da série.