X

Top 5: Melhores adaptações de contos de fada para o cinema

Aniversário de 25 anos de A Bela e a Fera nos inspirou a criar lista

Por Carla Braga - 13 Dez 2016 às 15:34h

Neste exato dia, 13 de dezembro, há, exatamente, 25 anos atrás, chegava aos cinemas nacionais A Bela e a Fera, animação da Disney que adaptou o famoso conto francês e que é um clássico hoje em dia, o que nos deixou saudosistas e já no clima para a produção do mesmo conto, mas em live-action e estrelada pela Emma Watson, que chegará ao mundo inteiro no ano que vem! Por isso criamos este Top 5 com as melhores adaptações de contos de fada para o cinema, mas é preciso mencionar aqui que já havíamos feito uma matéria com os piores filmes de contos de fada e outra com produções que são verdadeiras fábulas, apesar de quase ninguém perceber isso!

Curioso para descobrir quais são as melhores adaptações de fábulas em live-action? Continue lendo a matéria! PS: Deixamos de lado produções que, apesar de possuírem elementos de fábulas, não foram baseados em contos. 

A Bela e a Fera (1946)

Precisávamos começar com a versão de A Bela e a Fera de 1946 do diretor e poeta surrealista francês Jean Cocteau. Não se assuste com o fato da produção ser em preto e branco e em francês e nos dê um voto de confiança ao afirmarmos que o longa fornece uma pegada ainda mais poética e extravagantemente luxuosa ao famoso conto. A produção é permeada por detalhes visuais imaginativos, inclusive o agora tão copiado efeito de mãos emergindo das paredes, e por uma fotografia linda de morrer, prateada e luminosa. A Bela e a Fera é uma das adaptações de contos de fada que mais fizeram justiça ao espírito do gênero literário em que se inspira feita de uma forma que, muito provavelmente, nunca voltará a ser feita pelo cinema atual.

A Branca de Neve (1937)

O nome da Disney costuma ser usado (as vezes injustamente) para apontar casos de quando adaptações de contos de fada sofrem mudanças trágicas e tornam-se sem graça, mas, se revisitarmos algumas das suas primeiras produções, podemos levar um susto com o teor sombrio e cru de suas narrativas – alguém aí pensou no pobre Bambi? A animação Branca de Neve, pasmem, de 1937, é um perfeito exemplo disso e, logo, de uma ótima adaptação de um conto de fada (dos irmãos Grimm no caso). A madrasta da protagonista é uma criatura amedrontadora, e o filme consegue reproduzir os temas originais da história dos Grimm, como a morte aparente e enterros prematuros.

Para Sempre Cinderela (1998)

E se o conto de Cinderela, um dos mais famosos da história, fosse baseado em uma história real? Essa é a ideia por trás de Para Sempre Cinderela, filme de 1998 estrelado por Drew Barrymore e com Anjelica Huston maravilhosa na pele da madrasta. A trama ainda apresenta, ao invés de uma fada madrinha, Leonardo Da Vinci como o ajudante da protagonista, e o tempo da personagem no baile continua bem mágico. Para Sempre Cinderela surgiu em uma época em que já estava difícil criar uma produção de contos de fada legal, época esta que perdura até hoje, mas conseguiu surpreender a todos e ainda é relevante até hoje.

Enrolados (2010)

O membro mais recente desta lista é Enrolados, animação de 2010 da Disney soltamente inspirada no conto Rapunzel, dos irmãos Grimm. O filme narra a história de uma jovem princesa perdida, com um longo cabelo mágico e que deseja deixar o seu isolamento, recebeu críticas extremamente positivas e foi indicado a nove prêmios! A sequência das lanternas da produção foi a mais elogiada da história, rendendo comparações com a cena do baile de A Bela e a Fera.

Os Sapatinhos Vermelhos (1948)

Este musical britânico, que adapta o conto de mesmo nome do autor dinamarquês Hans Christian Andersen, funde sua narrativa de fábula com o balé e o romance melodramático (em alta na época). Os Sapatinhos Vermelhos, lançado em 1948, foi um sucesso de bilheteria nos EUA e nos apresenta à história de uma bailarina, vivida pela bailarina Moira Shearer, que rejeita dois homens interessados nela para poder se dedicar completamente à arte – uma temática bem à frente do seu tempo, ainda mais se pensarmos que o conto foi escrito no século 19. O filme possui uma sequência legendária de balé (de 17 minutos de duração) e um clímax tenso, que flerta com o gênero de horror.

Menções honrosas: Encantada (2007), O Labirinto do Fauno (2006), A Princesa Prometida (1986), O Mágico de Oz (1939), Caminhos da Floresta (2014), Willow - Na Terra da Magia (1988), Labirinto - A Magia do Tempo (1986), A História Sem Fim (1984), Cinderela (1950), A Pequena Sereia (1989), Meu Amigo Totoro (1988) e outros.