X

Laranja Mecânica: 16 curiosidades de um clássico

Controverso filme de Stanley Kubrick completa 45 anos cheio de peculiaridades

Por Carla Braga - 19 Dez 2016 às 11:57h

Há exatamente 45 anos, chegava aos cinemas norte-americanos Laranja Mecânica (1971), um dos filmes mais controversos da carreira de Stanley Kubrick e que se tornaria um clássico nas décadas seguintes. Devido à violência e cenas explícitas de sexo da produção, ela precisou ser retirada dos cinemas britânicos pelo próprio Kubrick e permaneceu banida de vários países por muitos e muitos anos. O longa é considerado um marco na diminuição do controle sobre a violência no cinema e revela um futuro distópico permeado por desordeiros malignos em meio a uma sociedade conformista! Confira abaixo, então, uma série de curiosidades acerca do filme que você, provavelmente, nem fazia ideia.

1. De início, Kubrick não queria fazer o longa

O diretor se deparou, pela primeira vez, com o livro Laranja Mecânica, de Anthony Burgess, quando o ator Terry Southern o deu uma cópia, acreditando que o cineasta deveria adaptar a obra. Mas, após uma primeira leitura, Kubrick teria, supostamente, odiado e ficado confuso com a linguagem, chamada Nadsat, que o escritor criou para os delinquentes da sua história. Apenas quando ele revisitou o livro, após uma tentativa frustrada de criar uma cinebiografia de Napoleão Bonaparte, que ele começou a mudar de opinião em relação a uma adaptação e a considerar Alex, o protagonista, como um personagem parecido com o Rei Richard III da Inglaterra.

2. Malcolm McDowell foi a primeira e única opção de Alex para Kubrick

Ainda bem que a agenda do ator estava aberta para filmar Laranja Mecânica porque o diretor já revelou que, caso Malcolm McDowell não tivesse topado encarnar o protagonista do longa, o filme não teria sido feito provavelmente. Quando Kubrick assumiu o projeto, ele tinha visto o primeiro trabalho de McDowell em um filme, chamado Se…, na pele de um adolescente problemático e achado a pessoa perfeita para o papel de Alex na sua cabeça. McDowell não precisou nem fazer um teste para conseguir o trabalho.

3. Mick Jagger comprou os direitos do filme por US$ 500

Originalmente, o autor Anthony Burgess vendeu os direitos do seu livro para um filme a Mick Jagger pelo valor irrisório de US$ 500. Nesse mesmo período, antes de Kubrick chegar ao projeto, Ken Russell e John Schlesinger eram considerados como diretores do longa, com Jagger supostamente na pele de Alex e outros membros dos Rolling Stones vivendo, potencialmente, os companheiros de gangue do protagonista! Mas, quando o aclamado cineasta assumiu o filme, só havia um nome para Alex, Malcolm McDowell. Será que Jagger pensa até hoje em como sua carreira teria realizado outro percurso caso não tivesse se afastado do projeto?

4. McDowell não fazia ideia de quem Kubrick era

Quando o papel de Alex foi oferecido ao ator, ele achou que Kubrick era Stanley Kramer, o diretor por trás de filmes como Deu a Louca no Mundo e Julgamento em Nuremberg. Foi apenas quando Lindsay Anderson, amigo e diretor de McDowell em Se…, mostrou 2001: Uma Odisseia no Espaço, considerada por muitos como a obra-prima  de Kubrick, a ele que o ator se tocou de quem Kubrick se tratava.

5. Existe uma razão para uma cobra ser o animal de estimação de Alex

Quando Kubrick descobriu sobre o pavor de McDowell por cobras, ele adicionou, intencionalmente, uma cobra como o animal de estimação do protagonista no roteiro. O animal se chamava Basil.   

6. Apenas três cenas foram filmadas em um set

Após o caríssimo 2001: Uma Odisseia no Espaço, Kubrick queria provar que conseguia fazer um filme de baixo orçamento. Portanto, a maior parte do longa foi filmado em Londres! Inclusive, a famosa e linda cena da loja de discos foi filmada no Chelsea Drugstore, um bar alternativo e super badalado de Londres, em que os Rolling Stones e outras celebridades frequentaram nos anos 60 e 70. Os únicos três sets construídos foram: o Korovo Milk Bar, a parte de check-in da prisão e o banheiro em que Alex toma banho na casa do escritor. Os três sets foram construídos em uma antiga fábrica na cidade de Borehamwood. Ah, e para aqueles que adoram um easter egg, dá para ver, claramente, um disco da trilha sonora de 2001: Uma Odisseia no Espaço quando Alex fala com um funcionário no balcão da loja. 

7. A performance de Cantando na Chuva de Alex foi improvisada

Kubrick passou quatro dias ensaiando a famosa cena em que Alex ataca o escritor e sua esposa, achando que a sequência estava convencional demais. Eventualmente, ele pediu que McDowell fizesse algo ultrajante durante a cena, como dançar. E, quando eles tentaram filmar a cena de novo, McDowell dançou e cantou a única música que conseguia lembrar: Dançando na Chuva. Kubrick precisou comprar, então, os direitos para utilizar a canção na produção por US$ 10 mil. Anos depois, quando o ator cruzou com Gene Kelly (protagonista, diretor e coreógrafo do musical) em uma festa, Kelly se afastou dele enojado.

8. A cena de sexo levou 28 minutos para ser filmada

Sagazmente, Kubrick decidiu utilizar a técnica fast-motiom para borrar a cena de sexo do filme entre Alex e duas mulheres na loja de discos no intuito de assegurar que ela não fosse mencionada especificamente pela censura por conteúdo sexual explícito. De todo jeito, a cena acabou contribuindo para a eventual censura X do filme, mas não por conteúdo explícito, mas porque a censura temeu que a técnica fosse copiada pela indústria pornográfica, que poderia acelerar seus filmes para passar suas produções pelos critérios de avaliação. Mas a parte mais interessante nisso tudo é que, segundo McDowell, a cena acelerada levou 28 minutos seguidos para ser realizada, ou seja, foi filmada em uma só tomada ao longo de quase meia hora!

9. Foi Steven Berkoff quem cuspiu em Alex na cena da delegacia

Na cena da delegacia, em que Mr. Deltoid cospe na cara de Alex, é Steven Berkoff cuspindo na realidade. Após várias tomadas, o ator Aubrey Morris, que viveu Deltoid no filme, reclamou para Kubrick que não tinha mais saliva, então, Berkoff se voluntariou para realizar a tarefa até que as câmeras do diretor capturassem a cuspida perfeita.

10. É um médico de verdade na cena do Tratamento Ludovico

Para a cena em que Alex é forçado a assistir filmagens horrendas como uma terapia de aversão, os olhos de McDowell foram mantidos abertos com uma ferramenta antiga de verdade utilizada em cirurgias oculares delicadas. O médico administrando o colírio era um médico de verdade do Moorfields Eye Hospital de Londres, e a ideia inicial era que ele permanecesse offscreen, mas Kubrick acabou o colocando em cena porque McDowell não teria conseguido manter os olhos abertos sem as gotas de colírio.

11. McDowell acabou lesionado a córnea de qualquer forma

Apesar dos olhos de McDowell terem sido anestesiados, o ator precisou enfrentar uma dor excruciante para rodar a cena porque os grampos para os olhos só podiam ser utilizados com pacientes deitados. Kubrick, no entanto, insistiu que o personagem estivesse sentado para a cena, em que assiste às cenas para a sua reabilitação, o que resultou em uma lesão na córnea do seu protagonista, forçando o legendário e perfeccionista cineasta a parar as gravações antes da hora.

12. Darth Vader tem um pequeno papel no filme

O ajudante muscular do escritor incapacitado no terceiro ato do filme foi vivido por David Prowse, o fisiculturista e concorrente a Mr. Universo que viria a vestir o figurino de Darth Vader na trilogia original de Star Wars. Prowse protestou, inicialmente, a cena em que precisaria carregar o escritor e sua cadeira de rodas até a mesa de jantar em apenas uma tomada. Como Kubrick tinha a tendência de realizar várias tomadas, Prowse chegou e falou: “O seu nome não é apenas-uma-tomada-Kubrick, você vê?”. A equipe ficou muda, achando que Prowse seria despedido imediatamente, mas o cineasta apenas riu e falou que ele ficaria bem. Eles conseguiram realizar a cena após seis tomadas, o que foi relativamente rápido, tratando-se de Kubrick. 

13. Ping pong ajudou a diminuir o orçamento do filme

Durante a pós-produção, McDowell gravou os voice overs com Kubrick por duas semanas. Para relaxar entre as sessões, que duravam horas, a dupla ia jogar ping pong fora do estúdio de gravação antes de voltar ao trabalho. Após o período, o agente de McDowell soube que o ator só receberia por uma semana de trabalho. A explicação de Kubrick? O valor que cobria uma semana era referente ao trabalho de voice over que eles fizeram e a semana não-paga foi gasta jogando ping pong.

14. Kubrick tirou o filme do Reino Unido após ameaças de morte

A mídia britânica culpou o violento filme por uma série de arrombamentos e assassinatos, alegadamente inspirados na produção, no começo dos anos 70. O longa permaneceu nos cinemas e disponível para distribuição até que o incidente motivou Kubrick a pedir que a Warner removesse o filme dos cinemas do Reino Unido. O diretor estava na Irlanda para filmar o seu novo longa, Barry Lyndon, quando recebeu ameaças de morte contra ele e sua família. Os autores prometeram arrombar a reclusa casa do cineasta em Londres para realizar ataques similares ao de Alex. Amedrontado, Kubrick proibiu o estúdio de mostrar o longa publicamente nas Ilhas Britânicas e Irlanda até a sua morte em 1999.  

15. Apesar da sua classificação, recebeu indicações ao Oscar

Mesmo com todas as controvérsias, Laranja Mecânica nunca foi retirado dos cinemas norte-americanos e foi nomeado a Melhor Filme e em outras três categorias do Oscar, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Figurino. O longa não venceu em nenhuma categoria, mas entrou para a história, ao lado de Perdidos na Noite, que levou o prêmio de Melhor Filme em 1970, como um dos dois únicos filmes classificados como X (apenas para adultos) a ser nomeado na principal categoria do Oscar.

16. O carro que Alex utiliza é raríssimo

O carro que Alex e sua gangue usa no filme se chama Adams Probe 16, criado por Dennis e Peter Adams, e é um dos únicos três já feitos do modelo! Na história, ele se chama Durango 95.