X

Filmes alto astral para ver neste Ano Novo

Porque precisamos todos renovar a fé na humanidade depois de 2016

Por Carla Braga - 30 Dez 2016 às 09:56h

Este ano não foi fácil para ninguém. O Impeachment no Brasil, Donald Trump nos Estados Unidos, O Brexit no Reino Unido e a mal documentada Guerra em Alepo, segunda maior cidade da Síria, são apenas três exemplos disso. Prince, Leonard Cohen, George Michael, David Bowie, Muhammad Ali, Carrie Fisher e Debbie Reynolds são apenas algumas das celebridades que nos deixaram em 2016. Logo, acredito que falo por todos quando afirmo que precisamos nos encher de bons pensamentos e vibrações para lavar e renovar nossas mentes para o ano que está por vir; que 2017 seja um novo ano de menos perdas e mais ganhos no entretenimento.

Segue abaixo uma lista de filmes positivos, que conseguem motivar qualquer um a ir em busca dos seus desejos em 2017 e a valorizar mais o fato de estar vivo!

As Férias da Minha Vida (2006)

Na comédia romântica As Férias da Minha Vida, é quase certeza afirmar que Queen Latifah te fará rir e chorar uma boa quantidade de vezes. No filme, a personagem da atriz e cantora vai a uma viagem luxuosa, sabendo que possui uma doença terminal e que tem apenas algumas semanas de vida. A cena da véspera do Ano Novo fornece uma pegada revigorante e inspiradora sobre a temática de viver a vida ao máximo. Como não se motivar a começar a viver um pouquinho mais no ano que vem do que conferindo uma produção focada em uma pessoa que só percebe que deveria fazer isso quando é quase tarde demais?

Quem quer ser um Milionário? (2008)

Este filme deve ser visto por aqueles que sempre vestem dourado na véspera de Ano Novo para ficarem ricos no próximo ano! O longa de Danny Boyle adapta o livro Q & A, do autor indiano e diplomata Vikas Swarup, e narra a saga de um jovem humilde, chamado Jamal Malik Othman, das favelas de Juhu (na cidade de Mumbai), que participa da versão indiana do programa Quem quer ser um Milionário?, excedendo as expectativas de todos e criando suspeitas das pessoas mais preconceituosas! Ou seja, é aquela boa e velha história sobre o sonho de muitas pessoas em ganhar na loteria. Mas, aqui, a sorte é substituída por mérito e inteligência.

Forrest Gump: O Contador de Histórias (1994)

Caso você ainda não tenha visto Forrest Gump: O Contador de Histórias, o final deste ano parece ser uma ótima deixa para fazer isso. A história do filme segue várias décadas da vida do personagem-título, vivido por Tom Hanks, um homem dentro do seu próprio ritmo e peculiaridades, extremamente espirituoso, de bom coração e que influencia alguns dos eventos norte-americanos mais decisivos da segunda metade do século 20. Mas, acima de tudo, a habilidade de Gump de amar e a força dele ao longo de tempos difíceis é bastante inspiradora e emocionante. Impossível acabar de ver este longa sem um sorriso no rosto.

A Felicidade Não Se Compra (1946)

Um dos maiores clássicos natalinos da história, A Felicidade Não Se Compra é visto por muita gente nessa época do ano lá fora. Por aqui, essa tradição ainda não vingou (ainda estamos presos naquele CD natalino com a Simone). De todo jeito, se você nunca tiver visto este filme ou ainda não o viu neste mês, deveria. Algo sobre acompanhar como teria sido a vida das suas pessoas amadas se você nunca tivesse existido consegue abrir os olhos e nos fazer valorizar mais a nossa vida assim como quem está a nossa volta.

Rocky: Um Lutador (1976)

Está enganado quem pensa que Rocky: Um Lutador, estrelado e escrito por Sylvester Stallone, é um filme sobre boxe. Tudo bem, ele é um pouquinho sobre boxe, já que gira em torno de um lutador, mas o seu foco mesmo é outro. O longa debate nossos relacionamentos com as pessoas e sobre como devemos sempre seguir em frente sem nunca desistir. Até vontade de entrar na academia ou fazer algum esporte em janeiro ele pode desencadear!

Antes de Partir (2007)

Outro filme acerca de pacientes terminais é Antes de Partir. Tudo bem, câncer de pulmão em estágio avançado não é um dos temas mais otimistas que existem por aí, mas os personagens principais e a forma como eles decidem lidar com uma situação nada legal transforma o filme em uma produção, extremamente, positiva. Ah, e é claro que a trama envolve uma viagem cara repleta de eventos nunca feitos, mas sempre desejados pelos personagens principais. Talvez você esteja precisando apenas de um pequeno empurrão para ter coragem de ir naquela tão desejada viagem. A produção ainda tem Morgan Freeman e Jack Nicholson com protagonistas.

Histórias Cruzadas (2011)

Se o grupo de mulheres protagonistas de Histórias Cruzadas conseguiu narrar suas histórias em uma época (década de 60) em que a mulher negra vivia à completamente à margem da sociedade branca norte-americana, o que são nossos problemas, dilemas e dificuldades perante os delas? O longa de Tate Taylor é daqueles que nos fazem arrepiar quando ressurgem em nossas memórias e recebeu quatro indicações aos Oscar, vencendo na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante pelo trabalho magnífico de Octavia Spencer. Histórias Cruzadas é uma produção emocionante e empoderadora, que passa a mensagem de que todas as mulheres podem fazer ou ser o que quiserem. Que tal começar 2017 com isso em mente?

Amor Impossível (2011)

Este adorável filme, Amor Impossível, tem um título original muito mais interessante: Salmon Fishing in The Yemen. Estrelado por Emily Blunt e Ewan McGregor (existia uma dupla de atores mais adorável?), o filme segue o Dr. Alfred Jones quando ele é abordado por um misterioso xeique árabe com a ideia absurda de estabelecer a pescaria voadora de salmões no Iêmen. Apesar da sua premissa meio louca. o longa é tão sincero e real, que envolve a audiência por completo com a sua atmosfera otimista. Se os personagens de Amor Impossível conseguiram realizar o que tanto desejam, tudo é possível sinceramente.

Uma História Real (1999)

O road movie biográfico Uma História Real, dirigido por David Lynch (Twin Peaks, Cidade dos Sonhos), baseia-se na história verídica de Alvin Straight, que, em 1994, viajou de Iowa até Wisconsin em um cortador de grama após descobrir que o seu irmão, com quem não tinha mais contato há anos, sofreu um infarto, a fim de acertar as contas com ele. Como Alvin não tinha habilitação de motorista e seus olhos e pernas estavam debilitados demais para conseguir uma naquela altura do campeonato, ele pega uma carona no seu cortador de grama, que fazia, no máximo, oito quilômetros por hora e partiu para a jornada de quase 400 quilômetros.

Erin Brockovich - Uma Mulher de Talento (2000)

Erin Brockovich - Uma Mulher de Talento é outra produção biográfica desta lista, provando que sagas reais são bastante motivadoras por termos certeza de que alguém conseguiu, de fato, realizar as façanhas retratadas na trama. Na trama, Julia Roberts é uma mãe solteira de três crianças que desmascarou uma corporação gigante da Califórnia após descobrir que a empresa estava poluindo, nas surdinas, o abastecimento de água de uma cidade.

Mesmo Se Nada Der Certo (2013)

Greta (Keira Knightley) é uma compositora que nunca chegou à fama tentando superar o fim de um relacionamento em uma das piores fases da sua vida, mas um encontro casual com Dan (Mark Ruffalo), um antigo produtor musical de uma gravadora, transforma sua vida por completo e para melhor. Juntos, eles decidem gravar um álbum independente e, apesar de não terem dinheiro ou instrumentos para isso, eles se mantêm otimistas e fazem arte de verdade com a ajuda de uma cidade como Nova York ao seu redor como palco e estúdio!

O Sol é Para Todos (1962)

O Sol é Para Todos, considerado uma das obras-primas da história do cinema, ou seja, visto por boa parte da crítica como um dos melhores filmes já feitos, é também uma produção emocionante e que renova nossa fé na humanidade. Sua pegada não é leve, mas sim dramática. No entanto, a sua saga debate temas básicos, como ética e dignidade, de forma incisiva e inocente (através do ponto de vista infantil) e o racismo impregnado na construção da sociedade moderna. Essa produção é daquelas que conseguem mudar nossa vida de forma permanente sem nunca passar despercebida.