X

Os melhores filmes sobre vingança

Longas aqui provam que acertar as contas lava a alma, mas pode ser perturbador

Por Carla Braga - 04 Jan 2017 às 17:01h

Quando tudo corre por água abaixo, poucas coisas conseguem motivar alguém de bom coração a se reerguer. Fazer coisas ruins como a boa e velha vingança, que não engrandece a alma, contudo, às vezes, se faz necessário. Imagine então o que pessoas, que já não eram muito legais, podem fazer quando saem em busca do seu acerto de contas. Compilamos os melhores filmes, com as tramas de vingança mais sangrentas, violentas, elaboradas e épicas da história do cinema, para quem estiver precisando de ideias - brincadeira!

Kill Bill (2003-2004)

Visto como um único filme ou em duas partes, Kill Bill deixa bem claro que é uma obra-prima do seu criador: Quentin Tarantino. Seguindo, de forma não linear, A Noiva (Uma Thurman), à medida que ela persegue e assassina cada um dos membros da The Deadly Viper, gangue assassina que a deixou para morrer, o longa revela como cada um do DVA foi mandado para a melhor de formas estilísticas e mais do que criativas enquanto a protagonista vai se aproximando do líder do grupo e seu antigo amante, Bill, para o clímax e desfecho da saga.

A Vingança de Jennifer (1978)

Este filme de 1978, chamado A Vingança de Jennifer, é um dos mais famosos sobre estupro e vingança. Ele é conhecido por possuir um teor de violência elevado - mesmo para os parâmetros das produções modernas, incluindo as de Tarantino, que se inspirou no longa setentista para criar Kill Bill. A trama do longa foca em Jennifer Hills enquanto ela segue sua jornada para se vingar dos homens que a estupraram na zona rural do estado norte-americano de Connecticut e revela uma série de eventos grotescos - a cena do estupro dura trinta minutos. Infelizmente, os valores ideológicos do filme não são ótimos, até mesmo para os valores da sua época, mas servem para adicionar cenas catárticas, que sacrificam estilo por brutalidade; e há quem goste disso.

Oldboy (2003)

O filme Oldboy é um clássico moderno, permanecendo em discussões cinematográficas, sejam elas casuais, profissionais ou acadêmicas, até hoje em dia. Mas a produção sul coreana também possui uma das tramas de vingança mais interessantes e bem empregadas já vistas. A trama segue um homem chamado Oh Dae-su, que, por razões desconhecidas, permaneceu preso em um quarto por quinze anos sem maiores explicações. Quando livre, ele imerge em uma sangrenta e super estilística saga para se vingar daqueles que o aprisionaram. O longa é cru, transpira vingança e mergulha sem medo no gênero vingança de forma que poucos fazem.  

O Conde de Monte Cristo (2002)

Inspirado no livro de mesmo nome de Alexandre Dumas, O Conde de Monte Cristo é uma narração simples, mas bem-feita de uma história clássica. Na trama, dois amigos navegadores cruzam com Napoleão Bonaparte. Um deles é louvado como herói, mas, em seguida, é usado por políticos e aprisionado injustamente em um castelo por treze anos. Uma vez livre, ele aprende uma série de habilidades, assume o nome do título e segue para sua vingança e restituição da sua reputação.

De Volta ao Jogo (2014)

De Volta ao Jogo é uma ação, com ares de neo-noir, que nos mostra o protagonista John Wick (Keanu Reeves) saindo da aposentadoria e partindo para se vingar daqueles que roubaram o seu carro vintage e mataram brutalmente o seu cachorro, um presente da sua falecida esposa, o que pode soar um tanto leve, principalmente se comparado com as motivações dos filmes anteriores, mas que é bem trabalhado na história. O longa funde ainda elementos do gun-fu dos filmes de ação de John Woo com os do faroeste espaguete

O Corvo (1994)

Convenhamos, existe vingança e existe vingança com um retorno dos mortos; este último caso acontece em O Corvo, que narra a história de um músico do rock, Eric Draven (Brandon Lee), que volta à vida para se vingar do assassino da sua noiva. A trama esfrega um molde de vingança nas nossas caras, mas ainda possui uma pegada neo-noir, elementos góticos noventistas, que são difíceis de reproduzir nos dias atuais, e foi um ótimo espaço para revelar os talentos do seu protagonista, que morreu durante um acidente no set de filmagem.

Coração Valente (1995)

É difícil levar Mel Gibson a sério hoje em dia, mas os anos 90 foram mais simples para ele e marcaram uma época, em que o ator era um dos mais bem pagos e procurados em Hollywood. Coração Valente chegou durante essa época do pico da carreira de Gibson e o colocou na pele do lendário guerreiro escocês William Wallace, que liderou um exército, que se vingou dos ingleses até o momento em que seu líder foi traído. A produção levou um Oscar de Melhor Filme, mesmo sem ser tão, historicamente, apurado assim. De todo jeito, ele emana a busca por vingança em cada uma das suas entrelinhas.

Bravura Indômita (2010)

Este longa é um faroeste de vingança dos irmãos Coen e, ao invés de ser um remake da versão de 1969, é uma adaptação do livro de Charles Portis. Bravura Indômita é uma história básica de vingança, seguindo uma garota (Hailee Steinfeld), que soma suas forças com a de um marechal dos EUA, vivido por Jeff Bridges, para encontrar os homens que mataram o seu pai. O melhor detalhe da trama desta produção é que a menina nunca é emotiva em relação a sua missão, pois enxerga a tarefa apenas como uma necessidade. O longa é engraçado, mas também violento e bastante tenso.

Desejo de Matar (1974)

O longa Desejo de Matar, clássico estrelado por Charles Bronson, é outra produção vingança bastante conhecida. Na trama, um arquiteto de Nova York tem a esposa assassinada e a filha estuprada por uma gangue de criminosos e, após perceber que a polícia não está ajudando em nada, parte para obter vingança. O filme debate ainda o fato de que, muitas vezes, a vingança, apesar de trazer um senso de remediação, não traz nada além disso e que ela pode transformar até mesmo o inocente na história em alguém não muito diferente do seu objeto de perseguição.

Sob o Domínio do Medo (1971)

Em Sob o Domínio do Medo, Dustin Hoffman é um matemático norte-americano, que se muda para Cornwall na Inglaterra e vive uma vida normal por um tempo - até que ele descobre que os locais não possuem muitas morais e enxergam os de fora como um insulto para a comunidade. Um conflito acaba surgindo, no qual a esposa do protagonista é atacada, o que transforma o outrora taciturno personagem em uma verdadeira força da natureza. A transformação do protagonista, de nerd para assassino, em busca de vingança, é mesmerizante.

Bastardos Inglórios (2009)

Abrindo com uma das sequências mais hipnotizantes e marcantes da história do cinema, Bastardos Inglórios, outra produção de Tarantino nesta lista, é, dentre tantos outros fatores, a história sobre a vingança que Shosanna Dreyfus empregou em Hitler e o comando nazista como um todo! Com um final poético e animador, Bastardos Inglórios torna-se uma baita de uma produção revigorante para os mais vingativos de bom coração.

Valente (2007)

O thriller psicológico Valente faz o que muitos desta lista não fizeram: coloca uma mulher na pele do protagonista errático, que perde a linha em busca de vingança. Na pele de Erica, Jodie Foster é uma host de um programa de rádio que é espancada, assim como o seu namorado. A agressão acaba levando à morte do parceiro da protagonista, que compra uma arma, passa por uma transformação de personalidade e se torna uma vigilante autônoma, que assassina vários criminosos e parte em busca dos responsáveis pela morte do homem que amava.

Animais Noturnos (2016)

O mais recente exemplo de um excelente filme de vingança é o thriller neo-noir Animais Noturnos, de Tom Ford, estrelado por Amy Adams e Jake Gyllenhaal. Filmado em duas narrativas principais, uma no presente e outra reencenando eventos de um livro, o longa nos apresenta a uma protagonista, que, após receber o manuscrito do novo livro do ex-marido, dedicado e intitulado para ela, começa a ter flashbacks sobre o relacionamento com ele, que podem ou não ter algo a ver com a trama do livro. Animais Noturnos é uma produção de vingança, sem dúvidas, mas daquelas finas e sofisticadas.