X

Os melhores musicais modernos que você precisa conferir

Sucesso de La La Land nos colocou no clima para outras produções do gênero

Por Carla Braga - 11 Jan 2017 às 16:42h

O gênero cinematográfico musical nunca desapareceu por completo, mas chegou perto disso durante as décadas de 80 e 90, com alguns lançamentos esporádicos aqui e ali, como Dinheiro do Céu (1981) e Extra! Extra! (1992). Mas esse paradigma começou a mudar com a virada do século XXI, quando ótimas surpresas, vide Dançando no Escuro (2000), Moulin Rouge (2001) e Chicago (2002), despontaram nos cinemas e lembraram os produtores de que, se bem-feitos, os musicais conseguem ser sofisticados, ambiciosos e, claro, rentáveis. E foi assim que chegamos aqui, em pleno 2017, com um musical como um dos filmes mais esperados e aclamados pela crítica e temporada de premiações. Estamos falando de La La Land - Cantando Estações, o maior vencedor da história do Globo de Ouro, homenageado com sete prêmios pela cerimônia e estrelado por Emma Stone e Ryan Gosling.

Como o gênero passou por um revival nos últimos quinze anos, existe um leque extenso de opções de musicais para os mais jovens (ou não) se atualizaram, e compilamos as melhores delas logo abaixo - avisando que animações ficaram de fora desta lista. Vamos lá?

Apenas Uma Vez (2007)

O musical irlandês Apenas uma Vez foi o responsável por levar o seu criador, diretor e roteirista, John Carney, ao estrelato mundial. De lá para cá, ele já lançou outros dois filmes do mesmo gênero. Mesmo Se Nada Der Certo (2013) e Sing Street (2016) são ótimos, com destaque para o último, mas nenhum dos dois conseguiu superar o frescor e a emoção presentes nas entrelinhas da produção de 2007. Se você curte musicais, que fogem um pouco do padrão e em que as faixas despontam de forma orgânica, Apenas Uma Vez é o longa certo para você. Narrando a história de um cantor e compositor, que percebe que pode sair no anonimato quando recebe um boost de uma colaboradora, por quem quase se apaixona, a produção é emocionante e abre margem para canções folk lindas - uma delas levou o Oscar de Melhor Música Original para casa.

Os Miseráveis (2012)

O drama romântico musical Os Miseráveis baseia-se no espetáculo de teatro de mesmo nome, que, por sua vez, inspira-se no livro clássico homônimo de Victor Hugo, lançado em 1862. A produção de 2012 conta com um elenco de peso extenso, já que é estrelado por Hugh Jackman, Russel Crowe, Anne Hathaway, Eddie Redmayne, Amanda Seyfried, Sacha Baron Cohen e Helena Bonham Carter! Mas, além de um conjunto de intérpretes talentosos, o filme conta ainda com uma história emocionante (e triste) ambientada durante a Revolução de Julho, movimento francês que levou ao fim o período da Restauração Francesa, e protagonizada por personagens sofridos e injustiçados.

Across the Universe (2007)

Neste musical, as músicas dos Beatles embalam acontecimentos românticos, de guerra e paz. Em Across the Universe, 34 canções compostas, originalmente, pelo quarteto de Liverpool moldam as histórias dos protagonistas Jude, vivido por Jim Sturgess, Lucy, interpretada por Evan Rachel Wood, e Max, encarnado por Joe Anderson. Em meio a tudo isso, existe a guerra do Vietnã, o surgimento de drogas como o LSD e muito, muito romance e eventos dramáticos. Como esquecer algumas das redenções presentes no filme? 

Caminhos da Floresta (2014)

O musical de fantasia Caminhos da Floresta adapta o musical homônimo da Broadway e é outra produção com um elenco conhecido extenso, contando com a presença de Meryl Streep, Emily Blunt, James Corden, Anna Kendrick e muitos outros! O longa une uma série de fábulas conhecidas, como Chapeuzinho Vermelho, Cinderela e João e o Pé de Feijão, e cria um universo só seu ao dá-las roupagens e ligações diferentes. Se isso tudo ainda não te convenceu, é preciso lembrar que Streep vive uma interessante Bruxa, que é a melhor personagem da trama!

A Escolha Perfeita (2012)

A Escolha Perfeita, estrelada por Anna Kendrick e Rebel Wilson, é uma comédia musical interessante por inserir os seus elementos musicais de forma inteligente, sutil e totalmente condizente com a trama (os protagonistas participam de uma competição entre grupos universitários de a cappella). Após conferi-la, é fácil ficar com a sensação de que acabou de ver apenas uma comédia legal nos moldes norte-americanos e nem perceber que a produção é, acima de tudo, um musical contemporâneo recheado de faixas pop modernas. A opção ideal para aqueles que não curtem muito o gênero foco desta lista! O longa conta ainda com uma ótima continuação, lançada em 2015, com um terceiro longa esperado para este ano.

Dreamgirls - Em busca de um Sonho (2006)

O drama musical Dreamgirls - Em busca de um Sonho levou dois Oscars em 2007, e isso não aconteceu à toa. Ambientado nas décadas de 60 e 70, o filme possui um elenco predominante negro e adapta um musical dos anos 80 da Broadway de mesmo nome, que narra a história real da criação da gravadora Motown. Com músicas poderosas, cantadas por vozes ainda mais poderosas, como as de Jennifer Hudson e Beyoncé, o musical mostra a evolução do R&B durante as épocas do doo wop, soul, funk e disco music. Uma verdadeira aula sobre a música afro-americana.

Mamma Mia! (2008)

A comédia romântica musical Mamma Mia! conta apenas com músicas do grupo sueco ABBA, e outras compostas especialmente para a sua história pelo membro da banda Benny Andersson. Na trama, Meryl Streep vive uma mãe solteira, que não sabe qual dos seus três antigos interesses amorosos é o pai da sua filha e que precisa lidar com eles todos de uma só vez quando a jovem, prestes a se casar, os convida para o seu casamento na esperança de descobrir qual deles é o seu pai! Toda uma saga cômica permeia a produção, mas o seu principal destaque são, de longe, suas canções. Se você curte ABBA, já deveria ter conferido este filme aqui.

Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet (2007)

Provando que 2007 foi um ótimo ano para os musicais, chegou Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet, longa de Tim Burton inspirado na obra da Broadway de mesmo nome. Convenhamos, se alguém deveria adaptar o famoso musical sombrio para os cinemas, este alguém precisava ser Burton. Na trama, Benjamin Barker, vivido por Johnny Depp, abre uma barbearia em Londres, que serve como alicerce para uma parceria medonha com o tenente Lovett! Com um final impactante, Sweeney Todd é, sem dúvidas, uma história única e peculiar.

Encantada (2007)

A produção em live-action da Disney Encantada inspira-se em inúmeras das suas animações para prestar homenagem e tirar uma ondinha delas ao mesmo tempo. O resultado ficou adorável graças principalmente à protagonista, vivida por Amy Adams, e aos momentos em que ela solta a voz e deixa claro que não faz parte do mundo real!

Rent: Os Boêmios (2005)

Seguindo os dilemas e dificuldades, como sexualidade, drogas, pagar o aluguel e o medo de contrair AIDS, das vidas de vários boêmios de Nova York entre 1989 e 1990, Rent: Os Boêmios é uma adaptação do musical de mesmo nome, que, por sua vez, inspirou-se na ópera La Bohème, de Giacomo Puccini! O longa conta ainda com seis dos atores originais da peça, reprisando os seus papéis, e canções extremamente marcantes e cheias de sentimento; como a que segue logo abaixo!

Hairspray - Em Busca da Fama (2007)

Sucesso de bilheteria e crítica, Hairspray - Em Busca da Fama (o sexto musical mais rentável da história do cinema norte-americano), narra a história de uma adolescente fora dos padrões de beleza ocidentais por estar acima do peso considerado normal que dá uma baita de uma lição à população da sua cidade, Baltimore, nos anos 60 ao conseguir entrar para um programa de dança local. O filme conta também com a presença de John Travolta na pele de Edna Turnblad, mãe da protagonista, personagem que havia sido vivida pela icônica drag queen Divine na comédia de mesmo nome de 1988 que inspirou o musical.

O Fantasma da Ópera (2004)

O filme mais antigo desta lista é também um dos mais memoráveis. O Fantasma da Ópera inspira-se no romance gótico homônimo do começo do século passado e segue os dramas da vida de uma jovem soprano, que vira objeto de obsessão de um gênio musical, que vive abaixo da Ópera House de Paris.  Ele acompanha tudo que acontece no local e se chama o Fantasma da Ópera. De certa forma semelhante à estrutura da narrativa de A Bela e a Fera, este musical surpreende com o desenrolar da história do misterioso protagonista e com canções lindamente construídas e entoadas por Emmy Rossum.