X

Conheça 11 filmes que te darão água na boca!

No Dia da Gula, compilamos longas capazes de fazer a barriga roncar alto

Por Carla Braga - 26 Jan 2017 às 11:58h

Ao contrário do que muitas pessoas podem ser levadas a acreditar, o Dia da Gula – celebrado no dia 26 de janeiro – não possui nenhuma conotação religiosa. A data foi criada para trazer atenção para um distúrbio alimentar, que pode acarretar em problemas de saúde! Mas a gente aqui do Fique Ligado prefere enxergar o Dia da Gula de outra forma; como algo positivo, que abre uma boa deixa para conferir produções repletas de pratos e comilanças de dar inveja até mesmo nos menos gulosos! Sabe aqueles filmes que dão água na boca e nos induzem a comer determinada comida logo depois de conferidos? Eles seguem logo abaixo – cuidado apenas para não ler esta matéria antes do almoço e ficar com a barriga roncando, como aconteceu com a gente!

O Sushi dos Sonhos de Jiro (2011)

O documentário O Sushi dos Sonhos de Jiro é adorável, mas faz qualquer fã de comida japonesa morrer de tristeza. Isso porque percebemos, com o filme, que o sushi que comemos no Brasil não chega nem perto da maravilha que parece ser o original – ainda mais quando ele é feito por alguém como Jiro Ono. O japonês de 85 anos é considerado o melhor e mais habilidoso sushiman na ativa! Mesmo assim, vale muito à pena conferir a produção, que acompanha todas as fases para a preparação dos pratos – da pesca dos peixes, passando pela compra dos ingredientes, até a apresentação dos sushis prontos no restaurante de Jiro, o Sukiyabashi Jiro, localizado em Tóquio. Os pratos que o sushiman cria são minimalistas e absurdamente deliciosos. Pelo menos, é isso o que seus frequentadores, que pagam quase trezentos dólares para comer vinte peças de sushi, alegam.

Momento mais água na boca: todos os que apresentam os vinte sushis preparados por Jiro.

Chef (2014)

Em Chef (2014), Jon Favreau, que também dirigiu e escreveu o filme, é um chef de cozinha em um restaurante chique que se sente entediado com o menu impermutável imposto pelos donos do local. Quando ele perde o emprego, retorna às raízes da sua culinária e volta a preparar sanduíches cubanos em um food truck (não gourmetizado) com o seu filho, que não é muito próximo dele. O filme está na Netflix!

Momento mais água na boca: o que o protagonista prepara um simples, mas lindo prato de massa ao pesto.

Chocolate (2000)

Uma especialista em chocolate e mãe solteira vivida pela maravilhosa Juliette Binoche e sua filha se mudam para uma cidadezinha rural da França e abrem uma chocolateira logo em frente à igreja local no final dos anos 50. Os hábitos mais independentes da mulher, que usa cores mais vibrantes que as demais, é ateia e teve uma filha fora do casamento, causam um alvoroço generalizado na cidade, que só aumenta quando um cigano, interpretado por Johnny Depp, entra em cena e se torna um tanto próximo da forasteira. A história toda é maravilhosa, mas como lidar com tanto chocolate lindo toda hora? Eles desempenham papel de verdadeiros protagonistas no longa, e é impossível não querer comer algum quando a produção chega ao fim.

Momento mais água na boca: todos em que qualquer pessoa come algum chocolate? Sim!

Ratatouille (2007)

A aclamada e queridinha animação da Pixar Ratatouille consegue deixar todos com vontade de saborear o prato-título original da região de Provença, na França, mesmo sendo uma animação! No filme, um ratinho, chamado Rémy, possui um paladar sofisticado e sonha em se tornar um chef de cozinha. Até que ele conhece o lixeiro Alfredo Linguini, que possui um desejo parecido, e junta forças a ele para colocar os seus sonhos em prática. O resultado disso tudo é um ratatouille maravilhoso e muitos outros pratos deliciosos, que dão água na boca mesmo não sendo reais.  

Momento mais água na boca: O que mostra Rémy fazendo uma sopa maravilhosa.

Maria Antonieta (2006)

A interpretação moderninha (dá até para ver um par de all star no armário da protagonista) e dramática do estilo de vida de Maria Antonieta durante os anos, que levaram até a Revolução Francesa, imaginada pela cineasta Sofia Copolla possui várias cenas de ostentação, e boa parte delas revela uma abundância assustadora dos mais variados e invejáveis tipos de comida (bolos confeitados, pratos de jantar e por aí vai). Até mesmo todos os escândalos não conseguem ser mais deliciosos do que os inúmeros tipos de bolos, que despontam em Maria Antonieta.

Momento mais água na boca: sempre quando alguém dá cabimentos para as lindas sobremesas!

A Viagem de Chihiro (2001)

A excelente animação A Viagem de Chihiro, do Studio Ghibli, é lembrada por inúmeros detalhes (um visual marcante, o Sem Rosto, a alusão com Alice no País das Maravilhos e etc), mas nem sempre a presença de muita comida em várias cenas vem à tona. Quando Chihiro e sua família fazem uma parada a caminho da sua nova casa na zona rural japonesa, eles vagam por um parque de diversão abandonado dominado por demônios e espíritos – a comilança já começa aí para os pais (porcos) da protagonista. A menina vai então para uma casa de banho, onde um banquete de proporções assustadores e variedade marcante está rolando, tentar salvar os pais. Neste caso, é difícil controlar a alma de gordinho, presente em muitos de nós, e não querer ir causar prejuízo em algum rodízio depois.

Momento mais água na boca: Quando o Sem Rosto não tem estrutura emocional para lidar com tanta comida e representa a gente detonando nos rodízios da vida.

Julie & Julia (2009)

Com um elenco de peso, vide Meryl Streep e Amy Adams como protagonistas, Julie & Julia mostra uma mulher, que decide cozinhar todas as receitas do livro Mastering the Art of French Cooking, escrito por Julia Child (Streep), ao longo de um ano. Ou seja, o que não falta no filme é comida gostosa (esperamos) e bem apresentada, além de muito humor, drama e uma atuação hilária da veterana atriz norte-americana.

Momento mais água na boca: quando essa calda de chocolate é derramada, e a gente se imagina colocando a língua durante a queda dela até o bolo.

A Fantástica Fábrica de Chocolate (1971)

Sabe aquela expressão pinto do lixo? Ela define bem o protagonista (e a audiência) de A Fantástica Fábrica de Chocolate. Um menino humilde ganha a chance de visitar a fábrica de chocolate mais fabulosa já existente na história da humanidade, onde até o papel de parede é comestível e saboroso, o que consegue tornar meio irrelevante o pequeno detalhe de que o dono do local é um tanto estranho. Besteira! É hora de comer como se não houvesse amanhã os mais loucos e imagináveis doces!

Momento mais água na boca: o surgimento da fonte de chocolate sim ou sim?

Garçonete (2007)

Na comédia dramática Garçonete, Keri Russell vive uma garçonete, que decide cozinhar tortas para vencer um concurso local no intuito de receber o prêmio e ter dinheiro o suficiente para deixar o marido. Se você, assim como eu, adora tortas doces com recheios de frutas silvestres, esse filme é para você... Lamentar que aqui frutas como mirtilo, amora e framboesa, são meio raras. Logo, caras.

Momento mais água na boca: o que mostra a protagonista fazendo a torta Earl Murders Me Because I’m Having An Affair.

Comer Beber Viver (1994)

Mesmo se você não tiver crescido em uma família chinesa com dois irmãos vai conseguir ser fisgado pela autenticidade dos relacionamentos estabelecidos pelos personagens e comida, que eles preparam e comem, em Comer Beber Viver, lindo filme de Ang Lee. Como a trama da produção é centrada em torno da mesa de jantar de um grupo de parentes, inúmeros exemplos de comidas tradicionais chinesas despontam e geram, no mínimo, curiosidade e fome.

Momento mais água na boca: o de abertura, em que quase dá para sentir o cheiro do vapor e do prato que é preparado!

Spinning Plates (2012)

Se você curte documentários de comida e se interessou em ver O Sushi dos Sonhos de Jiro, também vai querer dar uma olhada em Spinning Plates. A produção acompanha três chefs, peculiares a sua maneira, que servem tipos de comida diferentes entre si de forma maravilhosa. Logo, o filme acompanha locais premiados pelo Guia Michelin até churrascos no quintal de casa, sempre explorando a ideia de que não importa onde, como ou o que você prepara, mas sim a paixão que você possui por comida.

Momento mais água na boca: quando um complexo prato, com camarão, laranja, miso e yuba, é feito.